Colocando limites nas crianças birrentas

Seu filho faz birra, chora, responde e acha que é o dono do mundo? Se não, tenho certeza que você já viu alguma criança assim. 
Por mais fofa que ela possa ser, não há quem aguente conviver, nem que seja por alguns instantes, com criança sem limite. Mas, na grande maioria das vezes, esses monstrinhos não se criam sozinhos. Por trás deles, existe um adulto responsável, seja ele pai, mãe, tios, avós… Uma pessoa que, em vez de educar, fortalece ainda mais os maus hábitos da criança.

E, quando isso acontece, o resultado é aluno indisciplinado, com baixo rendimento escolar e uma dificuldade grande para se adequar às regras da escola. “Educar filho é uma das coisas mais sérias do mundo. Uma das tarefas mais difíceis da vida é educar um indivíduo. Mas quem ama cuida. Criança não pode encher o saco de ninguém, tem que saber se comportar em qualquer lugar. É horrível criança mal-educada. Sou contra essa coisa de que criança pode tudo”, desabafa Cissa Guimarães. 

Cissa Guimarães
Segundo a atriz, a boa educação que teve, e que foi repassada para os filhos, fez toda a diferença para que ela tivesse sucesso na vida. “Quando eu era criança, não fui educada com nenhuma psicologia. Era ‘cala a boca’ e pronto. Eu também questiono essa coisa de explicar muito. Não pode por causa disso, não pode por causa daquilo… Não quero, porque não quero! Onde já se viu isso? Eu sou sua mãe e você vai me respeitar! Criança precisa e pede limites. E olha que eu dou limite até hoje! Meu filho Tomaz está com 30 anos e, se discordar de algo que ele tenha feito, eu encaro briga mesmo! Não dou mole, não!”, brinca Cissa.

EQUILÍBRIO É FUNDAMENTAL 
Segundo Cláudia Tavares de Oliveira, psicopedagoga do Rio de Janeiro, tanto a falta quanto o excesso de limites são bastante prejudiciais ao aluno. “Em primeiro lugar é bom deixar bem claro que a família não pode transferir à escola a responsabilidade de educar uma criança. A família é e sempre será a base para que ela cresça saudável e enfrente muito bem todos os desafios da vida. Se a criança não tiver limites em casa, com certeza, isso irá interferir em seu rendimento escolar e na sua adequação comportamental. Se o aluno, mesmo vindo de uma família desestruturada, se identificar com o professor, pode ser que se saia bem nos estudos. A escola é uma das primeiras instituições do aluno, mas é a família que vai transmitir à criança as regras sociais que ela vai levar para o resto da vida”, explica a especialista.

A Terapeuta Regiane Glashan postou em seu blog terapeutadebebes.com.br algumas dicas para impor limites aos pequenos arteiros.
1-Pais, cuidadores e educadores precisam ter paciência e persistência em suas atitudes.
Alguns pais sem desejarem emitem dupla mensagem aos seus filhos. Num momento, onde o bom humor impera ou estão diante de uma situação onde não podem contrariar os filhos tudo é permitido, compras, brincadeiras, alimentos e etc. Num outro momento, onde o humor está abalado, a mesma situação é vivida com ansiedade, angústia e o não a criança soa como algo sem precedentes e descabível. Assim sendo, não há criança que possa decifrar o código de conduta dos pais. Os pais precisam de consistência e perseverança para mostrar o que é certo e errado, e, tenha certeza, os filhos agradecem por esse exemplo de conduta e carinho.
O que fazer se a criança apresentar um comportamento inadequado? A melhor coisa é lançar mão do “tempo de pausa” e explicar brevemente que se ela não se acalmar ela vai ficar no lugar “X” e não poderá sair enquanto não se acalmar.
2-Ter um lugar para chamar de seu.
Em algumas situações nos sentimos fragilizados ou impossibilitados de repreender nossos filhos, e aqui não cabe enumerar os “n” motivos, pois, cada um sabe o seu.
O mais importante, no momento, é salientar a criança que seu comportamento está sendo inadequado e que ao chegarem em casa ela irá para o lugar de costume para pensar em seu comportamento.
Entretanto, incentive, elogie e seja muito afetiva quando seu filho estiver se comportando bem. Isso agregará boa autoestima e certeza de que vale a pena ser vista e valorizada por boas condutas.
3-A introjeção da negativa.
Não podemos esquecer que a criança viaja por um ciclo evolutivo, e, por isso, não vamos esperar que um bebê de um ano e pouco seja bem comportado – ele ainda está tecendo um longo caminho rumo aos bons hábitos e boas maneiras. A partir dessa fase os exemplos dos adultos serão fundamentais para seu comportamento, tanto os éticos como os morais.
É por volta dos 2 anos de idade que a criança vai assimilando a noção de certo e errado (não e sim) – limites. Contudo, desde pequenininho vale a pena reforçar o bom comportamento e as boas atitudes e desestimular as atitudes e os comportamentos inadequados.
4-Desatenção dos pais
Não é raro identificarmos por trás de uma ação ou comportamento inadequado de uma criança, um desejo de chamar a atenção e ser vista por seus pais ou cuidador. Nessas circunstâncias a criança torna-se intolerante e mal educada com o intuito de chamar a atenção dos pais para si. É uma forma delas dizerem “quando vocês não me cuidam eu me sinto sozinha e pouco valorizada”. Vale a pena parar para refletir e observar se o tempo dedicado as crianças está sendo satisfatório, bem como a escuta cuidadosa, e, se o amor e o carinho estão presentes nas atitudes do dia a dia. Caso a criança não se sinta valorizada em suas necessidades sua auto referência torna-se prejudicada.
Em conclusão, educar uma criança dá trabalho – nos demanda olhar para elas com toda nossa atenção, cuidado e carinho. No balanço final, chegamos a conclusão de que fizemos um bom trabalho e que criar nossos filhos valeu muito a pena.

Acesse nossa loja online para presentes e produtos infantis, nacionais e importados!
www.osapoeaprincesa.com.br

 
           www. terapeutadebebes.com.br
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s